quinta-feira, 7 de novembro de 2013

ESQUECIDOS...

Estamos na Era dos esquecidos... Daqueles que há muito e muito tempos atrás estavam conosco, eram os nossos heróis, exemplo de vida e de testemunho. Saíram quase que por completo da nossa memória a sua existência conosco, aqui nessa terra já não existe mais.

Perdemos da nossa lembrança e deixamos eles irem para sempre sem lhes dar o direito de uma homenagem, de lhes presta os nosso sinceros respeito de gratidão e de companheirismo, sem lhe darem os créditos do que somos hoje foi por meio deles e não nosso.

Procuramos não lembrar, pois não podemos entrar na área do “saudosismo”, bom! É o que escuto sempre!
As pessoas não querem mais se lembrar das coisas boas que já passaram na vida, pelas quais passaram muitas pessoas que lhes ajudaram, estiveram na nossa vida nos momentos difíceis e bons, e nos abençoaram. Eu acho que isto não pode se esquecido!
“pois ele nunca será abalado; o justo ficará em memória eterna”. Salmos 112:6

Entramos na pós-modernidade, como diz: “com os dois pés...” E só queremos viver o presente lindo da “terra do nunca”, “da Alice no país das maravilhas”, dá só vitoria sem nenhuma adversidade ou luta, onde não exista nenhum stress ou dor. Só que a realidade e a verdade da vida e viver um presente não se esquecendo do seu passado, porque com esta bagagem poderemos construir e entra num futuro de vitorias reais e não fictícias fantasiosas que nunca são cumpridas.

Se esquecermos do que fomos, pois, isto para alguns é um trauma! Pelas dificuldades que enfrentaram e sofrimentos que passaram; é dizer que estávamos sozinhos, o que para alguns possa ser até verdade, mas na sua maioria tiveram muitas pessoas que o ajudaram, levantaram,  animaram, corrigiram e os deixaram em pé pronto para enfrenta à vida.

Fomos nos modernizando e com a secularidade tornamos seres sem alma e sem lembranças. Onde o que ficou para trás ficou e nunca mais voltara. Não nos fará falta alguma essas lembranças. Perdemos a capacidade de poder narrar aos nossos filhos, netos, etc. a nossa historia de vida. Perdemos a nossa historia que construímos no nosso passado, tudo isto não importa mais. O que importa agora é presente avante para o futuro. Mas o presente sem passado é como um corpo que lhe falta os seus membros. É como uma borboleta que não sabe que veio de um casulo. É como um amanha que o sol não aparece.

Um homem sem historia é como um livro, cujas páginas estão em branco. É como um grande terreno vazio sem ter uma construção. É como uma casa sem mobília. A nossa historia de vida nos dignifica, nos da credibilidade, nos dar mais sensibilidade e nos faz crescer em amor.
“Sou esquecido como um morto de quem não há memória; sou como um vaso quebrado”. Salmos 31:12

Quando perdemos a nossas lembranças e jogam no buraco negro do esquecimento nos tornamos levianos, sem consideração e irresponsáveis. Perdemos a nossa consciência que é o atributo pelo qual o homem toma em relação ao mundo. É aquela distância em que se cria a possibilidade de níveis mais altos de integração. Escapa-se de nos ao âmbito de não podemos ser trazidos por nenhum esforço da vontade ou da memória. Perdemos os nossos sonhos, porque junto com ele estava às promessas feitas no passado, que no vive o presente essas lembranças nos levaria a um futuro bem melhor. E neste pacote estão todos os que viveram, sofreram e sonharam os nossos sonhos, porém alguns não puderam ver os nossos sonhos ser realizados. Então, deveríamos nos esquecer deles? Eu acho que não!
“Em verdade vos digo que onde quer que for pregado em todo o mundo este evangelho, também o que ela fez será contado para memória sua”. Mateus  26:13
“Mas em parte vos escrevo mais ousadamente, como para vos trazer outra vez isto à memória, por causa da graça que por Deus me foi dada”. Romanos  15:15
“Trazendo à memória a fé não fingida que há em ti, a qual habitou primeiro em tua avó Loide, e em tua mãe Eunice e estou certo de que também habita em ti”. II Timóteo  1:5

Queremos nos esquece de tudo e de todos, nos liberta das recordações, tira da nossa mente todas as lembranças e com ela todos os que passaram pelas nossas vidas os que foram mais ou menos importantes. Se fizermos isto estaremos dizendo que eles não tiveram nenhum valor e que nos também não temos, com isto faltamos se dignos. Seremos pessoas sem creditos, vazias e sem vida. Quando fazemos parte de um grupo, somos vistos e lembrados, mas assim que saímos daquele determinado grupo nos tornamos como uma fumaça que desaparece em poucos minutos, pois aquilo que semeamos determinará o que haveremos de colher.
 
Procure tira uma lição para a sua vida.
Em Cristo

Pr. Capelão Edmundo Mendes Silva

domingo, 28 de julho de 2013

RESPEITO... É O QUE FALTA!

É muito desconfortante quando sentimos que as pessoas não se agradam de nos.
Suportam-nos, por piedade, relevando até o nosso jeito de viver.
Mas, murmuram pelos cantos de tão forma que conseguimos saber.
É como se dissessem: para de fala! Já esta enchendo!  Pois a mim não me agrada te ouvir.

O incomodo é tão visível e constrangedor
Que pensamos em não abria mais a boca para pronunciar nenhuma palavra a mais.
Como podemos dizer que amamos, quando procedemos desta forma vil.
A murmuração é tão extensa neste campo, que ela ganha destaque nas suas queixa e lamento. 

São Palavras pronunciadas em voz baixa, às vezes no pé do ouvido de outrem contra uma determinada pessoa.
O que nos traz uma dor profunda, que parece que nos afunda cada vez mais.
Quando somos vitimas deste fato nos sentimos como um trapo
Muito mal, triste, e com grande constrangimento, onde não existe nenhum alento.
Por saber e ver o que os outros estão utilizando das suas bocas para o mal.

O que fazemos com as nossas bocas?
Emprestamos a quem?
Ao mal ou ao bem?
Alguém pode dizer: que diferencia que tem?

Só saberemos quando comemos o fruto que colhermos
Poderemos sentir o verdadeiro sabor
Dependendo da fruta que for
Da maledicência ou do amor?

Tentamos nos esconder numa capa de inocência
Onde não sabemos o que foi dito
Pois nos esquecendo por a nos nada devendo
E aos outros, o que dissemos?

Desdenham de nos...

Pr.Capelão Edmundo Mendes Silva

quarta-feira, 1 de maio de 2013

A VIDA


Ultimamente olha pra vida e parece que ela não tem mais sentido.
Não digo isto pela vida,
Pela própria vida, pelo fôlego de vida,
Pela vida que Deus nos deu.
É que á vida que estamos vivendo cada dia que vivemos fica mais complicada de ser vivida
E quase tudo na vida se perdeu.

Talvez nós tenhamos uma visão de vida tão diferente da vida que estamos vivendo.
Talvez nos esta faltando uma vida, que em nós deveria ser vivida.
Talvez nos esta faltando ter vida.
Talvez a vida que estamos vivendo não seja a nossa vida.
Talvez falte em nós ter mais um pouco de vida.

O que somos nesta vida?
O que fazendo nesta vida?
A onde nos enquadramos na vida?
Qual o nosso propósito de vida?

Viver sem existir, não é vida.
Existir sem viver vida não é.
Mas como posso fazer para melhorar a minha vida?
Se eu não me sinto mais com vida!
Há não ser que...! do resto da minha vida eu comece a viver.

Em Cristo
Pr. Edmundo


segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Como Vai Fica Esta Historia?


Como é que vai fica esta historia?
Vamos ter que dar um tempo, esperar o tempo.
Ter que ter um tempo, para desenrolar.
Temos que ver a história, pois toda historia tem um inicio e um fim para acabar.

Tem história triste, tem drama na historia,
Tem sempre uma historia em toda ação.
Tem muitos fatos que ao lembrar dói o coração.
Só quero que a historia não se esqueça,
Na hora de colocar a minha canção.

Pois e da minha vida que se trata a historia,
Sem nenhum refrão,
Não quero que tudo se perca,
Não quero que tudo seja em vão......

Ao narrar os fatos da minha historia
Decorridos da minha vida particular e geral
Expondo o passado, presente e o futuro que há vir,
Declarando do que, um dia fui, sou e serei
Sem medo algum de fugir.

Da vida não levarei nada do que não possa se dito
Dos que comigo viveram, pois toda a historia será dita,
E lembrado não só nos verso e nas prosas
Mais em toda a historia.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

FECHADO EM MIM MESMO...


Fechado em mim mesmo, sou com uma casa sem portas e sem janelas, onde não tenho telhado, onde não existe mobília, tudo é vazio e escuro...

Fechado em mim mesmo, estou fechado par ao mundo, não vejo nada que esta em volta de mim, só sombra e vultos que se desfaz como a neblina.
Não sinto dor, tristeza, amor ou alegria, tudo é a mesma coisa.
Todos os sentimentos se fundem em um só e nada se sente a não ser um vazio total.
Não posso tocar, não tenho tato e nem sensibilidade alguma, não creio em nada, não tenho nenhuma dor ou remoço, não sinto falta de minha perda.

Fechado em mim mesmo, sou como um condenado que está por detrás de grandes grades fortes sem nenhuma possibilidade de sair
Onde as grades que me aprisionam são a minha indiferença para com tudo o que me cerca; o apego que não sinto as emoções que me deixaram. A esperança que se afastou de mim, a fé que deixei escapar, a felicidade que ao bater em minha porta eu não atendi. A vida que pensava ter, mas já estava morto, o orgulho que me dominava. A exaltação que me acompanhava e a humildade que expulsei de diante de mim.

Fechado em mim mesmo, mas ainda posso ver uma luz...
No fundo da minha desesperança.
Que brilha ofuscando os olhos do meu entendimento.
Tirando o raciocínio humano, resplandecendo sobre a minha alma e tomando o meu espírito, dando-me noção da minha humanidade e real estado de vida.
Será que terei uma oportunidade de me abrir?
Será que serei compreendido e terei alguém que me ajude a ver na escuridão?

Pr. Edmundo
RJ. 02/05/2006

TODAS AS MINHAS PALAVRAS...


Todas as minhas palavras já foram ditas.
Ditas já foram todas as minhas palavras.
Com elas convenci a muitos. Com elas a muitos nunca convenci.
Palavras que para muitos foram só palavras, mas para muitos as palavras foram muitos mais.
Palavras de persuasão e de vida não saíram da minha boca, mas do meu coração.
Com essas palavras vivi, com elas vivo, com elas viverei, mas não com minhas próprias palavras.
Se me calo sou vencido, mas se falo, por elas não sou entendido, mas se sou entendido não são por eles, por isso não me calo.
Com as palavras posso ter tudo, mas com elas poso não ter nada.
Com as palavras posso fazer tudo e ao mesmo tempo não fazer nada.
Com as palavras posso ter tudo e ao mesmo tempo não ter nada.
Com as palavras posso ter o poder, mas o poder não estar em minhas palavras.
As palavras podem ser armas mortais.
As palavras podem ser agentes do bem e da vida.
As palavras colocadas adequadamente podem fazer obras curativas e libertadoras.
Muitos que ouviram as minhas palavras, não só ouviram meras palavras, mas palavras que tinham força e alegria.
Muitos que ouviram as minhas palavras choraram, mas não de tristeza e sim movidos pela emoção e pela feliz harmonia.
Muitos que ouviram as minhas palavras estavam mortos e receberam vida.
Muitos que ouviram as minhas palavras foram curados da alma e do Espírito.
Muitos que ouviram as minhas palavras estavam desesperados a ponto de buscarem a morte e a escuridão.
Muitos que ouviram as minhas palavras olharam para mim e não acreditavam que da minha boca estava saindo muitas dessas palavras.
Muitos que ouviram as minhas palavras não acreditaram nelas e se perderam nas trevas densas do sofrimento.
Muitos que ouviram as minhas palavras pensavam ser mais um que só tagarelava cujas mensagens se perdiam ao ar e no espaço vazio.
Muitos que ouviram as minhas palavras não sabiam que estas palavras eram as palavras enviadas do Altíssimo, cujo nome é o Senhor Deus na pessoa do seu filho Jesus Cristo.
Eu... Era só um profeta... Que transmitia que interpretava que aludia em uma inspiração sobrenatural o falar de Deus.
E nada mais do que isto!
Todas as minhas palavras eram só as de Deus...


Pr. Edmundo
20/07/2002 21.53h

EU TERIA...


Eu teria me lançado das maiores alturas se tivesse certeza que tudo seria uma solução.
Eu teria me lançado no fogo se soubesse que tudo se resolveria.
Eu teria rançado o meu coração se soubesse que ele seria útil a alguém.
Eu teria me sacrificado de todo e de todas as formas se soubesse que teria a felicidade.

Eu teria negado todos os meus princípios.
Eu teria negado todas as minhas convicções.
Eu teria negado a mim mesmo.
Eu teria me desfeito da minha personalidade; traços típicos da minha originalidade.
Eu teria me reduzido a nada.
Eu teria me penitenciado.
Eu teria pedido que se passasse o cálice de mim.
Eu teria feito tudo o que me fosse possível e impossível, se eu soubesse que isto me traria a minha felicidade.

Eu teria me humilhado ao máximo do extremo.
Eu teria me auto-flagelado.
Eu teria me entregado sem medidas e sem reservas.
Eu teria renunciado a tudo o que considerasse ser de valor.
Eu teria me punido.
Eu teria me entregado sem receber retorno.
Eu teria me dado todo o meu coração.
Eu teria feito tudo e mais um pouco se eu soubesse que tudo isto me traria a minha felicidade.

Eu teria feito o que eu mesmo não teria coragem de fazer.
Eu teria feito o que muitos não queriam fazer.
Eu teria feito o que muitos não fariam.
Eu teria feito o nunca ninguém fez por si mesmo.
Eu teria feito o nunca ninguém fez por mim.
Eu teria feito coisas além do que eu pudesse imaginar.
Eu teria feito o papel que ninguém queria fazer.
Eu teria feito tudo e muito mais do que tudo se eu soubesse que tudo isto me traria a minha felicidade.

O que eu teria feito se soubesse que por meio disto eu seria feliz?
Se eu soubesse que fosse ser feliz, com toda certeza eu teria feito.
Se eu soubesse que fosse ser feliz eu faria tudo, até que me custasse muito caro.
Se eu soubesse que fosse ser feliz eu deixaria tudo e seguiria.
Se eu soubesse que fosse ser feliz eu me entregaria aos meus sentimentos interiores.
Se eu soubesse que fosse ser feliz em algum dia faria tudo para este dia chegar.
Se eu soubesse que fosse ser feliz e alguém sentisse que poderia me fazer, quem sabe...
Se eu soubesse que o futuro me seria mais feliz eu teria deixado o passado e nem teria tomado ciência do presente.
Há se eu soubesse!!!!!!!!

Pr. Edmundo
RJ . 25/05/2001