quinta-feira, 23 de julho de 2015

“...QUANDO SOU FRACO, ENTÃO, É QUE SOU FORTE” 2 Co 12.10

Quem disse que a fraqueza é uma derrota?
Ela é só um momento que se passa nas nossas vidas
Deixando uma dor e em alguns uma ferida.
Mas na maioria, um período de aprendizagem.
De confrontamento com a realidade.

Quem disse que tudo aqui seria muito fácil?
Que não teríamos de atravessar uma ponte
Que a beira de cair passaríamos com risco
Mas mesmo com a eminência do fracasso teríamos que passar.

Quem disse que não teríamos que mata um leão todo o dia?
Que seria o nosso dia a dia que teríamos quer enfrentar
Na nossa vida rotineira, mesmo passando pelas adversidades e fronteiras.
No fim do dia, isto nos leva a fazer uma reflexão.
Que em nossa fraqueza e incerteza conseguimos matar o leão.

A vida continua a nos desafiar!
E mesmo neste corpo fraco,
Talvez incapacitado de alguma coisa realizar
E quando o vigor físico venha nos faltar
Ou qualquer um dos sentidos nos deixe a deriva
Creio que o poder da força que em nos habita
Mesmo que por nos desconhecida em Cristo se manifestara.

Não desista! Pois o que passamos neste ciclo terreno de vida,
Levara-nos a descobrir que mesmo não sendo capaz de vencer sempre
Isto não nos qualifica em derrotados,
Mas sim aperfeiçoados para uma vitoria ainda ter.

Ser fraco às vezes é ser forte!
Pois na nossa fraqueza é que reconhecemos
O poder quem nos temos para transforma a nossa vida melhor
Construindo relacionamentos e sermos pessoas diferentes
Desprovidas da vil paixão e dos ressentimentos que outrora
Levou-nos ao esquecimento da nossa real condição.



Pr. Capelão Edmundo Mendes Silva

terça-feira, 21 de julho de 2015

A VIDA QUE VIVEMOS...

O que seria de nos?
Sem termos uma proteção forte.
Estamos vulneráveis, impotentes diante de tudo que nos cerca na vida.
Se nos não formos fortes o suficiente
Para nos colocarmos de pé e andar
Morreremos na inércia do nosso abandono próprio.

Mesmo que nos falte à força,
Mas a fé deve esta viva dentro de nós.

Ao fecharmos os olhos, talvez tenhamos outra concepção da nossa vida.
Buscando a nossa própria reflexão de nossos próprios atos,
Mas com os olhos abertos podemos ver melhor a realidade
Em que vivemos.

O que nos importa é esta vivo!
E viver esta vida com muita intensidade,
Mas o que preciso para a vida em nos vivida é que ela tenha saúde
Para poder viver em conformidade.

Se á vida que eu vivo não é vivida
Em mim mesmo esta morta a minha consciência.
Pois eu não vivo só porque estou vivo,
Mas vivo a vida que Deus me deu,
Com sabedoria de alcançar mais dias do que a vida me deu.

Quantas vezes desperdiçamos a nossa vida?
Com as futilidades a nos adquirida
Sem o mínimo de conhecimento aonde isto vai me levar,
Esquecemos o melhor da vida que ela pode nos dá.

Criados para viver, esta vida a nos concedida.
Que deve ser mantida no nosso corpo mortal.
Mas muito além do que isto, a nos é exigido.
Uma mentalidade que possa nos administrar.
Pois se os meus olhos forem bons todo o meu corpo será.

As profundas emoções por nos vividas
Conviver com elas tem que ser.
Infelizmente faz parte do conjunto da obra da vida.
Não podemos cair no abismo que nos arraste
E nos escravize a uma condição eterna de dor.

Que tudo que for verdadeiro, respeitável, justo, puro,
Amável e de boa fama, e se houver algum louvor
Seja isto que ocupe o nosso pensamento
E nos liberte das dores e do tormento desta vida em que nos vivemos.



 Pr. Capelão Edmundo Mendes Silva

terça-feira, 30 de junho de 2015

TEM HORAS QUE NÃO DÁ PAR EXPLICAR O QUE SENTIMOS

Tem horas que não sentimos nada
E nada nos sentimos
Momentos de silencio total
A onde foge tudo de nos
E nos fugimos de tudo

Não dá pra explicar o que sentimos
Que tipo de sentimento é este
Que se apossa do nosso ser
Às vezes pode ser uma saída da realidade
Tentando encontrar uma alternativa naquilo que ainda
Desconhecermos ser

Esvaímos de nos mesmos
Todas as nossas possibilidades e ações
E Partimos para uma viajem alem da nossa imaginação

Transcendemos na, mas pura espiritualidade que em Cristo nos permite ter.
Entramos dentro da nossa casa
E começamos a arruma-la
Buscando a dracma perdida até encontra e ter

Depois de tudo isto feito
Sem sentimos, mas nenhuma dor no peito
Parece que podemos desabafar
Abrimos a nossa boca e jogamos tudo pra fora
Choramos todo o nosso choro
E deixamos as lagrimas caírem
Limpeza total fazemos
Purificado sentimos que estamos sendo
Levantamos a nossa cabeça
E ai... Começamos a ver o sol brilhar.

Pr. Capelão

Edmundo Mendes Silva

domingo, 26 de abril de 2015

Ser Sozinho...

Como é difícil se só!
Se só é ser somente só.
Você fala, mas ninguém te ouve.
Você aparece e ninguém te ver.

Só e aceitar um desafio,
É uma missão de viver sem ter ninguém quer ti entenda.
Às vezes é melhor se só do que mal acompanhado.

Ninguém vive sem ter amigos,
Mas às vezes é melhor ser só do que ter amigos da onça.

Alguém já pensou o que fez uma pessoa sair e partir numa viagem sozinha?

Todos nos precisamos tem o nosso momento conosco mesmo,
Para refletir, analisar, questionar, ponderar, etc.
Tem pessoas que precisa ser simplesmente só para realizar algo.

O alpinista atravessa a nevasca e sobe ao monte Everest sozinho e se sente realizado.
Um corredor de maratona corre quilômetro só consigo mesmo, mas esta sendo empurrado por uma nação.

Uma casa vazia sem mobília não tem nenhum sentido,
Mas o sentido da casa não está na mobília.
E sim em quem vive nela,
Que talvez esteja só!

As montanhas estão La esperando que alguém vá até ela,
Pois ela não existe para que não tenha ninguém nela.
Ela nunca sairá de onde está,
Ela permanecera sempre só.
Esperando alguém mais solitário do que ela.

A maioria dos grandes inventos e descobertas da historia da humanidade
Foi por uma pessoa só.
Mas muitas pessoas ficaram como a torre de babel
Que não conseguiu ser construída pela arrogância,
Soberba de não poder saber,
Em meio a tanta confusão,
Se comunicar com os outros.

Tem pessoas que fica ficaram só,
Pois jamais conseguiriam e às vezes pagam o preço amargo da incompreensão e aceitação
Tem outras que vivem para esta só, mesmo que esta viva no meio de multidões.

Na balança colocamos três pessoas de um lado e um de outro
Os três sobem pelo o seu peso, enquanto o um desce.
Quando as três pessoas sai uma pessoa sobe.
As três pessoas são mais do uma pessoa no seu peso,
Mas uma pessoa tem o seu peso real e verdadeiro.

A justiça e cega,
Por isso ela não sabe o que ela Pesa
Se um ou cem
Ela vendou os olhos para não ver quem é quem!

Como luto é um coração vazio,
Deitado no chão frio, gelado e sem nenhum cobertor ou algo que lhe aqueça.
Pois os muitos que passam e vê não vê com o coração,
Pois talvez esteja mais frio e desesperado do que o que está no chão.
Não existe dor maior no meio do peito,
Do que uma vida sem ter um coração.
O que existe é um silencio que arrasta para a escuridão.

Se esquecerem de mim...
E eu me perder...
Passaram os tempos e ninguém me reconhece mais.
Estão à solidão tomou conta de mim
Tomou-se a minha verdadeira amiga, fiel de todas as horas.
Do qual, só com ela posso contar.

Muitos nascem cercados de pessoas outros só.
Muitos crescem cercados de todos outros só.
E ninguém entende o que passa a vida sozinha,
Pois pela sua ignorância desconhece como sobreviver.
Sem ter e ser aprendem a resolver as próprias questões da vida.
Sem a ninguém depender

Quando vemos o sertão vazio
Sem vida, sem água, sem pasto, sem plantação.
Também vemos que poderíamos ser em nos mesmo,
Perdido no meio do nada da criação.

Ser sozinho não é para qualquer um!
Tem que te sido preparado e escolhido.

Para cumprir determinadas missões...

Pr. Capelão Edmundo Mendes Silva

terça-feira, 14 de abril de 2015

EU QUERO A VOLTA A VIVER!

Eu quero volta a viver, eu quero ter a minha vida de volta.
Eu quero poder andar livremente sem que eu possa me sentir culpado de alguma revolta

Eu quero voltar a viver, como nos tempos de autora.
Em que eu sorria abertamente, livre e despreocupado, de qualquer sentimento ou consequência que estivesse em um fato.

Eu quero volta a viver com o mesmo sentimento de uma criança
Quando tinha uma inocência, pura, não roubada, não corrompida e não defraudada, vivia numa irrealidade. Porem sem saber da realidade, eu vivia bem.

Eu quero volta a viver com a mesma doçura de um adolescente não só pelo desfrutar os prazeres do tempo, nem pelo divertimento do alento, mas com o vigor que eu tinha.
Com a felicidade que em mim permanecia e que pairava no meu coração, que transbordava através da linha lagrimas o profundo sentimento verdadeiro e autentico da mais pura e lógica razão.

Eu quero a volta a viver despreocupado das crises, do enfado.

Eu quero a volta a viver sem ter esse sentimento de amargura, dor profunda dento do minha existência, pela preocupação do ter, do haver e do ser.

Eu quero a volta a viver como uma pessoa livre dos preconceitos e das discriminações, do medo, da culpa que às vezes nos rodeia pela nossa fragilidade a imperfeição humana.

Eu quero a volta a viver sem que tenha como uma espada atravessada em nossa alma e que  ao puxar ranque de nos o que sobrou de bom das nossa vidas.

Eu quero a volta a viver dias de alegria, de festas verdadeiras, não falsificadas, ou meras futilidades, como um simples encontro ou reunião de uma organização, onde todos confederados festejam algo que esta longe de se apropriar.

Eu quero a volta a viver sem mentiras sem erros sem defeitos
Sem as lembranças do passado, sem traumas que meu foi deixado, que perturbaram a minha mente.
Que ficaram na nossa vida sem ter com ter uma saída, uma resposta ou uma solução.

Eu quero a volta a viver, um amor perdido, um abraço aquecido, um sentimento fraternal, um aconchego do lar da família, que não fosse só nos dias de festas nem nos dias finais.

Que quero volta a viver uma verdade da qual às vezes falsificamos a realidade por força do destino, compromissado com tudo que nos cerca, em que vivemos cheio de transtorno, crises e dilemas que nos levar a não ser o que somos.

Eu quero a volta a viver...



Pr. Capelão Edmundo Mendes Silva

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

RECORDAÇÕES PROFUNDAS

Tem algo que às vezes nos incomoda, que nós não conseguimos resolver.
Dá uma dor no peito, um nó na garganta, querendo falar mais sem poder.
Parece ser difícil falar quando tudo já se passou.
Mais mesmo assim temos uma necessidade de solta para fora esse sentimento que sentidos no momento.

O passado não volta mais, só às boas recordações que podemos guardar.
Tivemos grandes momentos de profunda alegria e imensa felicidade.
Vivemos com pessoas maravilhosas que fizeram a nossa vida crescer.
Então, quando olhamos para o nosso passado e tentamos falar.
não conseguimos saber nos expressar.

O que nós dói é que às vezes perdemos as oportunidades que a vida nos dá
E depois vivemos com essa dor que não quer parar.
Parece que depois de tanto tempo, conseguiríamos esquece.
Mas quanto mais tempo passa algumas lembranças não nos deixa de se ver
Elas ficam lá no fundo do nosso coração escondidas, só nos sabemos que elas estão lá.
E ai quando tudo vem à tona, confusos ficamos sem saber! O que vamos fazer?

Voltamos para o presente e começamos a trabalhar
Para que algumas lembranças não tornem a nos assombrar.
Fazemos tudo, tentamos deletar, mas tem coisa que são difíceis de apagar.
Talvez levemos o presente todo conosco até o futuro e ele ainda esteja lá.

Vivemos a vida toda com este sentimento e recordações escondido num lugar secreto
E nos piores momentos começamos a conjecturar.
Que se tivéssemos feito algo diferente teríamos realizado ou feito algo melhor
Para que agora não tivéssemos do que nos culpar.

Mas agora já e tarde! Tudo se passou
Não se pode voltar atrás do que já se acabou
Vamos ter que administra para não nos ferir ou nos matar
Basta apenas direcioná-las para outro lugar
Como se fosse um quadro ou um retrato que de vez em quanto vamos olhar.



Autor: 
Pr. Capelão Edmundo Mendes Silva

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

ESQUECIDOS...

Estamos na Era dos esquecidos... Daqueles que há muito e muito tempos atrás estavam conosco, eram os nossos heróis, exemplo de vida e de testemunho. Saíram quase que por completo da nossa memória a sua existência conosco, aqui nessa terra já não existe mais.

Perdemos da nossa lembrança e deixamos eles irem para sempre sem lhes dar o direito de uma homenagem, de lhes presta os nosso sinceros respeito de gratidão e de companheirismo, sem lhe darem os créditos do que somos hoje foi por meio deles e não nosso.

Procuramos não lembrar, pois não podemos entrar na área do “saudosismo”, bom! É o que escuto sempre!
As pessoas não querem mais se lembrar das coisas boas que já passaram na vida, pelas quais passaram muitas pessoas que lhes ajudaram, estiveram na nossa vida nos momentos difíceis e bons, e nos abençoaram. Eu acho que isto não pode se esquecido!
“pois ele nunca será abalado; o justo ficará em memória eterna”. Salmos 112:6

Entramos na pós-modernidade, como diz: “com os dois pés...” E só queremos viver o presente lindo da “terra do nunca”, “da Alice no país das maravilhas”, dá só vitoria sem nenhuma adversidade ou luta, onde não exista nenhum stress ou dor. Só que a realidade e a verdade da vida e viver um presente não se esquecendo do seu passado, porque com esta bagagem poderemos construir e entra num futuro de vitorias reais e não fictícias fantasiosas que nunca são cumpridas.

Se esquecermos do que fomos, pois, isto para alguns é um trauma! Pelas dificuldades que enfrentaram e sofrimentos que passaram; é dizer que estávamos sozinhos, o que para alguns possa ser até verdade, mas na sua maioria tiveram muitas pessoas que o ajudaram, levantaram,  animaram, corrigiram e os deixaram em pé pronto para enfrenta à vida.

Fomos nos modernizando e com a secularidade tornamos seres sem alma e sem lembranças. Onde o que ficou para trás ficou e nunca mais voltara. Não nos fará falta alguma essas lembranças. Perdemos a capacidade de poder narrar aos nossos filhos, netos, etc. a nossa historia de vida. Perdemos a nossa historia que construímos no nosso passado, tudo isto não importa mais. O que importa agora é presente avante para o futuro. Mas o presente sem passado é como um corpo que lhe falta os seus membros. É como uma borboleta que não sabe que veio de um casulo. É como um amanha que o sol não aparece.

Um homem sem historia é como um livro, cujas páginas estão em branco. É como um grande terreno vazio sem ter uma construção. É como uma casa sem mobília. A nossa historia de vida nos dignifica, nos da credibilidade, nos dar mais sensibilidade e nos faz crescer em amor.
“Sou esquecido como um morto de quem não há memória; sou como um vaso quebrado”. Salmos 31:12

Quando perdemos a nossas lembranças e jogam no buraco negro do esquecimento nos tornamos levianos, sem consideração e irresponsáveis. Perdemos a nossa consciência que é o atributo pelo qual o homem toma em relação ao mundo. É aquela distância em que se cria a possibilidade de níveis mais altos de integração. Escapa-se de nos ao âmbito de não podemos ser trazidos por nenhum esforço da vontade ou da memória. Perdemos os nossos sonhos, porque junto com ele estava às promessas feitas no passado, que no vive o presente essas lembranças nos levaria a um futuro bem melhor. E neste pacote estão todos os que viveram, sofreram e sonharam os nossos sonhos, porém alguns não puderam ver os nossos sonhos ser realizados. Então, deveríamos nos esquecer deles? Eu acho que não!
“Em verdade vos digo que onde quer que for pregado em todo o mundo este evangelho, também o que ela fez será contado para memória sua”. Mateus  26:13
“Mas em parte vos escrevo mais ousadamente, como para vos trazer outra vez isto à memória, por causa da graça que por Deus me foi dada”. Romanos  15:15
“Trazendo à memória a fé não fingida que há em ti, a qual habitou primeiro em tua avó Loide, e em tua mãe Eunice e estou certo de que também habita em ti”. II Timóteo  1:5

Queremos nos esquece de tudo e de todos, nos liberta das recordações, tira da nossa mente todas as lembranças e com ela todos os que passaram pelas nossas vidas os que foram mais ou menos importantes. Se fizermos isto estaremos dizendo que eles não tiveram nenhum valor e que nos também não temos, com isto faltamos se dignos. Seremos pessoas sem creditos, vazias e sem vida. Quando fazemos parte de um grupo, somos vistos e lembrados, mas assim que saímos daquele determinado grupo nos tornamos como uma fumaça que desaparece em poucos minutos, pois aquilo que semeamos determinará o que haveremos de colher.
 
Procure tira uma lição para a sua vida.
Em Cristo

Pr. Capelão Edmundo Mendes Silva